Pedra nos rins: o que você precisa saber?

O assunto de hoje é uma doença muito comum, que provavelmente você já teve ou conhece alguém próximo que teve. É a famosa pedra nos rins.

Com a rotina corrida dos tempos atuais, muitas vezes nos esquecemos de beber água, o que é fundamental para o bom funcionamento do organismo. Isso acaba acarretando na formação de cristais nos rins que, com o tempo, aumentam de tamanho, formando verdadeiras pedras.

Descubra como evitar isso e o que podemos fazer caso a pedra se forme!

 

Quais são as estatísticas da pedra nos rins

  • Mais de 15% da população mundial apresenta cálculos renais;
  • 1 em cada 8 pessoas vai ter pedra no rim em algum momento da vida;
  • Homens têm mais de chances de ter cálculo renal do que as mulheres;
  • Os casos de pedras nos rins aumentam 30% nos períodos mais quentes do ano;
  • 85% dos pacientes conseguem expelir as pedras dos rins naturalmente pela urina;
  • Apenas cerca de 20% dos casos necessitam de tratamento medicamentoso ou cirurgia;
  • 50% das pessoas que tiveram cálculo renal vão ter outro em 5 anos se não fizerem uma prevenção.

Litiase renal

O que é pedra nos rins

Pedra nos rins, conhecida também como cálculo renal ou litíase renal, é uma doença causada pela formação de minerais que se juntam e formam uma pedra dentro dos rins. Essas pedras (ou cálculos) são classificadas dependendo de sua composição e posição no sistema urinário.

As pedras dos rins podem ser compostas por:

  • Oxalato de Cálcio;
  • Ácido Úrico;
  • Estruvita;
  • Fosfato de Cálcio.

As classificações dos cálculos renais podem ser:

  • Renais: dentro do rim;
  • Ureterais: dentro do ureter, que leva a urina do rim até a bexiga;
  • Vesicais: dentro da bexiga.

 

Causas do cálculo renal

A principal causa da formação da pedra no rim é a pouca ingestão de água, que deixa a urina com uma concentração de cristais muito alta.

Outros fatores que influenciam na formação de pedras nos rins:

  • Má alimentação;
  • Aumento de cálcio;
  • Aumento de ácido úrico;
  • Diminuição de citrato na urina;
  • Infecções urinárias recorrentes (causadas por bactérias que formam as pedras de estruvita);
  • Outras doenças que podem interferir nos minerais do sangue e formar os cálculos.

 

Além disso, há os fatores de risco, que não são causadores, mas aumentam as chances da pedra se formar, como:

 

Sintomas de pedra nos rins

Quando o cálculo está no rim sem se mexer, costuma não apresentar sintomas, por isso ele pode crescer lá por meses e até anos de forma imperceptível. Caso apareçam sintomas, eles costumam ser:

 

Quando a pedra se mexe, ela começa a sair do rim e ir para a bexiga através do ureter, causando a cólica renal, cujos sintomas são:

  • Dor aguda repentina na região lombar que pode se estender até a região da bexiga;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Febre.

 

Diagnóstico de cálculo nos rins

Antes de tudo, o médico urologista precisa saber da história e fazer um exame físico apertando a área da lombar, onde ficam os rins. Caso a suspeita seja confirmada, é necessário fazer outros exames, como:

  • Raio X simples de abdômen: pode ajudar em casos de grávidas e crianças;
  • Ultrassonografia do trato urinário: é mais barato, mas não é tão preciso no diagnóstico;
  • Tomografia computadorizada de abdômen: é mais caro, mas é o melhor exame para diagnóstico, por ser mais preciso e conseguir medir a densidade da pedra;
  • Urografia excretora: um tipo de radiografia dos rins com contraste que não é mais muito utilizada por não ser tão precisa;
  • Exames de sangue e urina: são importantes também para investigar se há alguma infecção ou outros problemas.

Pedras nos rins

Tratamento de pedras nos rins

O tratamento do cálculo renal depende de fatores como:

  • Sintomas;
  • Quantidade de pedras;
  • Tamanho das pedras;
  • Localização das pedras;
  • Composição das pedras.

Além de tratar a dor da cólica e hidratar o paciente com soro (para ajudar na eliminação da pedra), os médicos vão avaliar a necessidade de reavaliações clínicas ou retirada cirúrgica da pedra, que costumam ter altas taxas de sucesso e poucas complicações. Em casos recorrentes, eles também realizam uma investigação metabólica para identificar​ algum distúrbio que está causando a formação de pedras, para poder tratá-lo e impedir que mais delas se formem.

 

Tratamento clínico

Quando o cálculo é menor do que 6 mm de diâmetro, pode ser expelido sem nenhum tratamento específico. Os que são compostos por ácido úrico podem ser dissolvidos quimicamente por medicamentos de via oral. Esse é o tratamento mais utilizado porque a maioria dos casos de pedra nos rins é de pedras pequenas. Nesses casos, plantas diuréticas e que dilatam as vias urinárias podem ajudar a expelir a pedra mais rapidamente e com menos cólicas, por exemplo:

Se a pedra for maior que 6 mm e de uma composição mais dura, é preciso um método intervencionista:

 

Tratamento intervencionista

Para se tratar pelo método intervencionista, é preciso analisar o tamanho da pedra (se tem mais ou menos de 2 cm) e onde ela está localizada (na pelve renal ou cálices). Veja na imagem ao abaixo.

Como forma a pedra no rim

• Litotripsia extracorpórea por ondas de choque

Esse método é utilizado para fragmentar a pedra em pedacinhos menores e pode ser usado tantos nas pedras menores quanto nas maiores de 2cm.

As taxas de sucesso na fragmentação dependem mais da dureza da pedra:

  • Dureza menor que 500 UH: de 80 a 100%
  • Dureza entre 500 e 1000 UH: 70%
  • Dureza maior que 1000 UH: de 0 a 26%

Em casos de pedras muito grandes e muito duras, é possível que esse método não resolva completamente e que depois o paciente precise fazer outro tipo de procedimento.

• Nefrolitotripsia percutânea

É uma cirurgia realizada com um pequeno corte nas costas, onde é inserido um equipamento chamado nefroscópio, que "espeta" o rim e consegue fragmentar as pedras e sugá-las para fora. Esse processo precisa de uma aplicação de contraste por cateterismo na uretra, para que o cirurgião possa ver as vias dos rins pelo radioscópio.

• Ureteroscopia flexível ou rígida

É um método menos invasivo que insere um aparelho chamado ureteroscópio flexível pela uretra, que atravessa a bexiga e o ureter, chegando até o rim. Na ponta do ureteroscópio é possível introduzir fibras laser (para fragmentar o cálculo) ou uma pinça (para puxar o cálculo para fora). Após a cirurgia, o paciente fica com um cateter no ureter por uns dias para poder cicatrizar.

• Pielolitotomia Laparoscópica

Em casos muito específicos em que nenhum dos procedimentos funciona, é possível fazer uma cirurgia que abre a pelve renal para retirar a pedra manualmente.

Caso o cálculo renal não seja tratado logo, é possível que haja perda da função do rim de forma irreversível. Em situações mais graves, é possível contrair uma infecção urinária, que pode evoluir para uma infecção generalizada através do sangue e oferecer um grande risco à vida do paciente.

 

Como prevenir pedras nos rins

A primeira coisa a se fazer para prevenir o cálculo renal é ingerir de 2 a 2,5 litros de água por dia. Se não for possível calcular a quantidade de água ingerida, dá para analisar a cor da urina. Se o xixi estiver amarelo, é preciso tomar mais água. Quando a cor da urina estiver quase transparente, é sinal de que a quantidade de água ingerida é o suficiente para evitar a formação de pedras nos rins.

Além disso, há outras coisas simples que você pode fazer para se prevenir:

  • Consumir frutas cítricas, in natura ou na forma de sucos (laranja, limão, acerola, etc.);
  • Diminuir o consumo de sódio (sal);
  • Comer mais verduras, legumes e frutas;
  • Evitar comer frutos do mar, pois eles apresentam um alto índice de ácido úrico, favorecendo a formação dos cálculos renais;
  • Reduzir o consumo de carne vermelha, porque tem muita proteína;
  • Pacientes que têm infecção urinária com frequência devem se prevenir e tratar as infecções o quanto antes.

As plantas usadas no tratamento dos cálculos renais também podem ser usadas para a prevenção.

Mulher bebendo agua para prevenir calculo renal

E aí, achou interessante?

Se tiver mais dúvidas, fale com um fitoterapeuta clicando aqui.

 

Fontes

Cálculo renal

https://www.einstein.br/Pages/Doenca.aspx?eid=199

Cálculo renal

https://www.hospitalsiriolibanes.org.br/hospital/especialidades/nefrologia-dialise/Paginas/calculo-renal.aspx

Cálculo renal

https://www.hospitalsiriolibanes.org.br/hospital/especialidades/nucleo-avancado-urologia/Paginas/calculo-renal.aspx

Calor aumenta risco de pedra nos rins

https://drauziovarella.uol.com.br/nefrologia/calor-aumenta-risco-de-pedra-nos-rins/

Nefrolitotripsia Percutânea para tratamento de cálculos renais

https://blog.handle.com.br/nefrolitotripsia-percutanea-para-tratamento-de-calculos-renais/

Ureteroscopia (rígida e flexível com laser)

http://drbrunomello.com.br/cirurgia/ureteroscopia-rigida-e-flexivel-com-laser/

Pielolitotomia Laparoscópica: Uma abordagem alternativa da Litíase Renal Piélica

https://www.apurologia.pt/acta/2-2009/v02.pdf

Comentários


  • delcir francisco
    OLÁ, que saber que chá posso ingerir para diminuir ou alterar os problemas nos rins
    ⇒ Oficina de Ervas: Olá Delcir. Peço que entre em contato através do e-mail farmacia@oficinadeervas.com.br , precisamos de algumas informações como sua idade, qual seria o problema e se faz uso de medicação para podermos auxiliar. Estamos a disposição.
  • Joao Rodrigues de souza
    Tenho 2 pedras no rim Direito de 0,5 cm e duas no esquerdo de 0,7 cm e 0,9 cm. O quê vcs me orientam?
    ⇒ Oficina de Ervas: João, bom dia. As pedras nos rins, quando ultrapassa, 0,7cm podem entupir no ureter e causar um dano maior. Não é recomendado tomar chás para ajudar a eliminar, pois uma dessas pedras tem 0,9cm. Talvez o seu médico opte por fazer a litotripsia antes para quebrar em pedaços menores. Qualquer dúvida, entre em contato direto com nossa equipe pelo email farmacia@oficinadeervas.com.br. Estamos à disposição.
  • Jorge
    Ja fiz a cirurgia à leser ha 6 anos hoje com 54 anos voltei a sentir dor renal fiz ultrassom e constatou pedra o que fazer
    ⇒ Oficina de Ervas: Oi Jorge. Se a pedra for menor que 7mm, tem como forçar a expulsão. Se for maior que isso, ela não tem como sair. Entre em contato com nosso fitoterapeuta e passe as informações com detalhes, para que possamos orientar, ale´m de te passar um tratamento preventivo para que não ocorra mais essas formações. Estamos no aguardo.

Deixe seu comentário sobre:
Pedra nos rins: o que você precisa saber?