Pygeum africanum, a planta da saúde masculina.

O Pygeum (Pygeum africanum) é uma árvore perene nativa de algumas regiões da África. Sua madeira é dura, sendo usada para fazer pisos, mobiliário, vagões de trem, cabos de machados e enxadas, além de ter uso medicinal. É também conhecida como madeira-de-ferro, cereja-africana, ameixa-seca, dentre outros nomes. Inclui o sinônimo botânico Prunus africana. Pertence a família Rosaceae. 

pygeum casca

O uso medicinal da casca do pygeum é conhecido desde o século XVIII, quando as tribos africanas ensinaram os primeiros exploradores europeus sobre sua utilização para tratar desconforto na bexiga. O extrato de pygeum é usado na Europa para tratar a hiperplasia benigna da próstata desde 1960. A casca do pygeum contém vários componentes, incluindo beta-sitosterois, que exibem ação anti-inflamatória através da inibição da produção de prostaglandinas na próstata.

Outros componentes do pygeum incluem ácido ferúlico e ésteres, que reduzem os níveis de prolactina (um hormônio que promove a captação de testosterona na próstata), e triterpenos pentacíclicos, que inibem uma enzima envolvida na inflamação e ajudam a reduzir o edema. Os cientistas acreditam que esses fitoquímicos trabalham juntos para ajudar a combater as alterações estruturais e bioquímicas associadas com a hiperplasia prostática benigna.

pygeum fruto

Como tônico masculino, o Pygeum africanum aumenta as secreções prostáticas e melhora a qualidade do sêmen. Também pode aumentar a capacidade de ereção e ajuda a combater a infertilidade masculina. O extrato do pygeum demonstrou resultados positivos em estudos in vitro em ratos para utilização contra o câncer de próstata. A planta também é composta de beta-sitosterol, triterpenos (ácido ursólico e ácido oleanólico) e taninos.

O Pygeum também estimula as secreções glandulares, abaixa os níveis de colesterol e reduz o inchaço e a inflamação, além de inibir as prostaglandinas que contribuem para a congestão vascular. 

Contraindicações e efeitos colaterais:

A planta e seus compostos só devem ser utilizados com recomendação de um profissional da saúde competente. (fale com um fitoterapeuta) Pode causar desconforto gastrointestinal como um possível efeito colateral. Intolerância gástrica e reações alérgicas cutâneas ocorrem raramente e normalmente desaparecem com a ingestão do Pygeum africanum às refeições.

Precauções:

Não há restrições para pacientes diabéticos. O uso do Pygeum Africanum não exclui o acompanhamento pelo médico no que se refere ao controle do volume do adenoma e do resíduo pós-miccional. Pode ser usado por pessoas com mais de 65 anos de idade, desde que observadas às precauções da substância.

Posologia / concentração:

Pygeum africanum tem se mostrado seguro e eficaz em doses variando de 50mg duas vezes por dia para 200 mg uma vez por dia.

Comentários


  • Antônio Norberto Oliveira Pinto
    Bons resultados até o momento. Continuo tomando.
    ⇒ Oficina de Ervas: Ficamos felizes com seu resultado Antônio, qualquer dúvida pode nos chamar.
  • Antonio
    Vcs vendem este medicamento para a próstata? Qual o valor?
    ⇒ Oficina de Ervas: Olá Antônio. Temos essa planta para manipular. Se o caso é de hiperplasia da próstata, o mais indicado é o Sabal. Deixo os preços do Pygeum: 60 cápsulas de Pygeum africanum E.S. 100mg R$ 46,00 30 cápsulas de Pygeum africanum E.S. 200mg R$ 46,00 Qualquer dúvida ou orientação, entre em contato com nosso fitoterapeuta pelo farmacia@oficinadeervas.com.br Estamos à disposição.
  • Rogério Gama
    Gostaria de saber sobre o efeito vasodilatador do pygeum africanun. Grato
    ⇒ Oficina de Ervas: Bom dia, Rogério! O que sabemos do Pygeum africanum é sobre a ação anti-inflamatória da próstata. Mas fale com um dos nossos Fitoterapeutas para melhores explicações. Pode ser por email ou whatsapp: farmacia@oficinadeervas.com.br (16) 98234-0111

Deixe seu comentário sobre:
Pygeum africanum, a planta da saúde masculina.