"Novidade na Oficina de Ervas
Parcelamento em 6X SEM JUROS no cartão!"

Digite o que procura abaixo
ou entre em contato conosco.

Equinácea

Echinacea purpurea (L.) Moench

IDENTIFICAÇÃO

Família: Asteraceae.

Nomenclatura popular: Equinácea.

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS

Preventivo e coadjuvante no tratamento dos sintomas de resfriados.

CONTRAINDICAÇÕES

Devido à possível ativação de agressões auto-imunes e outras

respostas imunes hiper-reativas, o fitoterápico não deve ser

administrado em pacientes com esclerose múltipla, colagenose,

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA), tuberculose,

pacientes em uso de medicamentos imunossupressores e outras desordens

auto-imunes. Contraindicado para crianças, grávidas e pacientes com

histórico de hipersensibilidade e alergia a qualquer um dos

componentes do fitoterápico.

PRECAUÇÕES DE USO

Esse fitoterápico não deve ser utilizado por grávidas e lactantes sem

orientação médica.Não deve ser utilizado em casos de doenças

auto-imunes (encefalites difusa, eritema nodoso, trombocitopenia

imunomediada, síndrome de Evans, síndrome de Sjögren com disfunção

tubular renal), infecções por HIV e tuberculose. Leucopenia pode

ocorrer pela utilização a longo prazo (mais de 8 semanas).

EFEITOS ADVERSOS

Pode causar febre e distúrbios gastrointestinais, como náusea, vômito

e paladar desagradável logo após a ingestão. Raras reações alérgicas

tais como prurido e agravamento de quadros asmáticos. Reações de

hipersensibilidade foram relatadas, como dermatite atópica, urticária,

Síndrome de Stevens Johnson, angioedema da pele, edema Quincke e

broncoespasmo

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

Deve ser administrado com cautela em associação com fármacos cujo

metabolismo é dependente das enzimas CYP.

TEMPO DE UTILIZAÇÃO

Não utilizar por mais que 8 semanas sucessivas.

SUPERDOSAGEM

Não foram encontrados dados descritos na literatura consultada

sobre problemas decorrentes de superdosagem. Em caso de administração

acima das doses recomendadas, suspender o uso e manter o paciente

sob observação.

PRESCRIÇÃO

Fitoterápico somente sob prescrição médica.

PRINCIPAIS CLASSES QUÍMICAS

Fenilpropanoides, polissacarídeos, sesquiterpenos.

Fonte: Farmacopéia Brasileira 1° Edição - Memento Fitoterápico

______________________________________________________________________

SEGUE MAIS INFORMAÇÕES

Equinácea (Echinacea angustifolia)

Echinacea angustifolia / Echinacea purpurea / Echinacea pallida

A Equinácea é uma planta originária da América do Norte, sendo

utilizada a séculos pelos indígenas como cicatrizante de ferimentos

e para neutralizar o veneno de cobras. Com a chegada dos colonizadores

europeus, estes também passaram a se valer das virtudes desta planta,

e rapidamente a incluíram em seu arsenal terapêutico. Os resultados

eram tão impressionantes, que rapidamente estava sendo difundida pela

Europa como um excelente medicamento para qualquer tipo de doenças

infecciosas.

O gênero Echinacea possui 9 espécies, sendo que apenas 3

(Echinacea angustifolia, E. purpurea e E. pallida ) são utilizadas

como plantas medicinais. Normalmente possuem porte baixo, chegando a

60 cm de comprimento, muito parecidas a uma touceira de margarida.

Apresentam flores de extrema beleza, com pétalas de coloração púrpura

voltadas para baixo, e muito visitada por insetos polinizadores,

principalmente pelas abelhas que vão atrás de seu rico néctar e pela

abundância de pólen. Como droga pode-se utilizar praticamente a planta

toda, desde as raízes até as partes aéreas.

Com o surgimento dos antibióticos esta planta foi deixada de lado,

quase que caiu no esquecimento. Mas agora com o retorno das terapias

menos invasivas e mais naturais, a Equinácea voltou a ocupar um lugar

de destaque na fitoterapia. Atualmente é uma das plantas mais produzidas

e comercializadas no mundo todo. No Brasil sua entrada é relativamente

recente. O preço muito caro a impedia de se tornar mais popular, mas com

cultivos comerciais realizados por pessoas responsáveis aqui no Brasil,

tem conseguido abaixar o preço de maneira significativa, podendo um

número maior de pessoas se beneficiarem de suas qualidades terapêuticas.

Mas quais são as virtudes terapêuticas da Equinácea?

Na verdade ela age como um antibiótico natural e um grande

imunoestimulante, ajudando a combater bactérias, fungos, vírus e outros

tipos de agentes causadores de doenças. A Equinácea estimula de várias

formas o sistema imunológico do organismo, que é fundamental para combater

as doenças infecciosas. Além disso aumenta a produção de uma substância

denominada de interferon, que é um agente anti-viral. Porém, como estes

efeitos são por um período muito curto, recomenda-se utilizar a Equinácea

várias vezes ao dia. Além disso não se recomenda o uso por mais de 2 meses

seguidos, pois o organismo não responderá mais com a mesma intensidade.

Nestes casos recomenda-se ficar 1 ou 2 semanas sem seu consumo ou então

substituir por outra planta, com as mesmas qualidades, como o

Cogumelo-do-Sol, Ganoderma, Ipê-Roxo ou qualquer planta com ação

imunoestimulante.

Normalmente utiliza-se a Equinácea para resfriados, gripes, problemas

infecciosos recidivantes, como infecções vaginais por fungos, infecções

das vias urinárias, amidalite, bronquite, sinusite, herpes genital, herpes

oral e até mesmo o herpes-zóster.

Existe alguns estudos mostrando que a Equinácea poderia ser utilizada para

combater a Síndrome do Cansaço Crônico, auxiliar no tratamento da AIDS, e

em alguns tipos de câncer, principalmente nos casos onde o sistema

imunológico fica abalado devido ao tratamento com a radioterapia ou

quimioterapia. No comércio encontra-se a planta em forma de cápsula,

tintura, extrato fluído, extrato seco e até mesmo em xarope. Com tanta

riqueza não dá para deixar de lado uma planta como esta, não importando

sua origem, pois as fronteiras políticas quem inventou não foi o Criador

e sim os homens.

Ademar Menezes Junior

      

 

Outros Produtos Naturais