Plugin necessário

Buscar produtos naturais

A Sucupira serve para que?

Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

 

A Sucupira é uma árvore que produz uma semente, muito conhecida para aliviar as dores, pelos seus efeitos antiinflamatórios. Os antigos já faziam os chás com essas sementes para tratar o reumatismo, a artrite e as dores crônicas.
Atualmente, poucas pessoas conhecem essa planta, e por isso resolvi apresentar um pouco de sua característica e de sua importância. 
 A Sucupira (Pterodon emarginatus) é uma planta que se origina nos cerrados; há alguns anos, houve um migração para a floresta semidecídua, aparecendo nos Estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Tocantins, São Paulo, Goiás, Piauí, e Mato Grosso do Sul. A Sucupira está na lista de plantas ameaçadas e há uma ação por conta de estudiosos, biólogos e botânicos de todo o Brasil para a conservação da espécie.
A árvore tem em média de 8 a 16 metros de altura. O tronco é branco-amarelado e tem a casca lisa; suas raízes, geralmente, transformam-se em bulbos, e expandem-se em batatas-de-Sucupira. As folhas são compostas e bipinadas; flores rosadas meio brilhantes e terminais no estilo panículo. Além dessas características a planta produz frutos que se assemelham a legumes indeiscentes, alados.
A Sucupira é usada, geralmente, na construção civil. A espécie fornece madeira maciça e de alta durabilidade, própria para construções e confecção de móveis, estruturas, assoalhos, etc. Esse foi um dos motivos que levou à espécie para a lista de plantas ameaçadas, devido à exploração descontrolada e sem nenhuma fiscalização e projeto de plantio e manejo. 
A medicina popular usa sua casca e sementes, também o óleo, para o tratamento de reumatismo. Outras observações foram feitas a patir de estudos farmacológicos que apontaram, em uma pesquisa, que o óleo da Sucupira também inibe a penetração da cercária da esquistossomose (doença parasitária crônica que mata milhares de pessoas todos os anos pelo mundo), através da pele. Ou seja, o óleo da planta pode ser usado na profilaxia tópica dessa endemia.
Atualmente existem mais estudos que apontam a Sucupira como uma planta de amplo espectro, no tratamento de diversas enfermidades corriqueiras, como infecção de garganta, rouquidão, amigdalites, aftas, gripes e resfriados. Deixou de ser a semente preferida da terceira idade, já que era somente para doenças degenerativas e dores!
Muitos ainda reclamam do seu gosto amargo, mas garanto que vale a pena! E quem disse que remédio tem que ser gostoso? Bom mesmo é ter saúde!
Então, da próxima vez que você for usar essa planta, não faça cara feia para ela. Lembre-se que é de sua natureza ser bela, boa e amarga!
Por: Eliza Tomoe Harada

A Sucupira é uma árvore que produz uma semente, muito conhecida para aliviar as dores, pelos seus efeitos anti-inflamatórios. Os antigos já faziam os chás com essas sementes para tratar o reumatismo, a artrite e as dores crônicas.

Atualmente, poucas pessoas conhecem essa planta, e por isso resolvi apresentar um pouco de sua característica e de sua importância. 

 A Sucupira (Pterodon emarginatus) é uma planta brasileira que se origina nos cerrados; há alguns anos, houve um migração para a floresta semidecídua, aparecendo nos Estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Tocantins, São Paulo, Goiás, Piauí e Mato Grosso do Sul. A Sucupira está na lista de plantas ameaçadas e há uma ação por conta de estudiosos, biólogos e botânicos de todo o Brasil para a conservação da espécie.

A árvore tem em média de 8 a 16 metros de altura. O tronco é branco-amarelado e tem a casca lisa; suas raízes, geralmente, transformam-se em bulbos, e expandem-se em batatas-de-Sucupira. As folhas são compostas e bipinadas; flores rosadas meio brilhantes e terminais no estilo panículo. Além dessas características a planta produz frutos que se assemelham a legumes indeiscentes, alados.

sucupira arvoresucupira arvore floridasucupira semente

A Sucupira é usada, geralmente, na construção civil. A espécie fornece madeira maciça e de alta durabilidade, própria para construções e confecção de móveis, estruturas, assoalhos, etc. Esse foi um dos motivos que levou a espécie para a lista de plantas ameaçadas, devido à exploração descontrolada e sem nenhuma fiscalização ou projeto de plantio e manejo. 

A medicina popular usa sua casca e sementes, também o óleo, para o tratamento de reumatismo. Outras observações foram feitas a patir de estudos farmacológicos que apontaram, em uma pesquisa, que o óleo da Sucupira também inibe a penetração da cercária da esquistossomose (doença parasitária crônica que mata milhares de pessoas todos os anos pelo mundo), através da pele. Ou seja, o óleo da planta pode ser usado na profilaxia tópica dessa endemia.

Atualmente existem mais estudos que apontam a Sucupira como uma planta de amplo espectro, no tratamento de diversas enfermidades corriqueiras, como infecção de garganta, rouquidão, amigdalites, aftas, gripes e resfriados. Ela deixou de ser a semente preferida da terceira idade, já que era indicada somente para doenças degenerativas e dores!

Muitos ainda reclamam do seu gosto amargo, mas garanto que vale a pena! E quem disse que remédio tem que ser gostoso? Bom mesmo é ter saúde!

Então, da próxima vez que você for usar essa planta, não faça cara feia para ela. Lembre-se que é de sua natureza ser bela, boa e amarga!


Por: Eliza Tomoe Harada

OE

Formas de Pagamento

Formas de pagamentos aceitas pela Oficina de Ervas: Boleto, Cartões de Crédito e Transferência eletrônica.

Últimas Notícias

Lançamento da Linha Toque de Luz, Cristais de Oz Saiba Mais

Cultivo de Ervas Medicinais do grupo Oficina de Ervas Saiba Mais

Ver Todas Notícias

Monte sua Receita

Envie sua receita para que possamos fazer um orçamento específico para suas necessidades.

Email:
farmacia@oficinadeervas.com.br
Telefone: 16 - 2133.4455

OE

Manipulação e fitoterápicos!

A sua saúde em equilíbrio com a natureza. Conheça os benefícios que as plantas podem proporcionar e deixe a natureza cuidar de você!

Nossa equipe tem formação para prestar atendimento à sociedade, sobre esse vasto assunto que é a fitoterapia.

leia mais