2000-01-01

Acerola

Nome Científico: Malpighia glabra L.

Família: Malpighiaceae

Parte Utilizada: fruto

Princípio Ativo:

O fruto contém: ácido ascórbico (2 a 4g %); sais minerais (Fe, Ca – 12mg %, F – 11mg %); proteínas (4g%); carboidratos (8,7g %). Possui também mucilagens, rutina, hesperidina e outros bioflavonóides, carotenos, tiamina, riboflavina e niacina.

Mecanismo de Ação:

A vitamina C, principal constituinte da acerola, desempenha importante papel na proteção do organismo contra infecções. Aumenta resistência, atenua os efeitos do stress. Torna-se também, como suplemento desta vitamina um excepcional antiescorbútico.

Pesquisas na área de cosmetologia indicam a inclusão de ácido ascórbico em produtos contra o envelhecimento celular graças à sua ação antioxidante e sequestrante de radicais livres. Seus sais

minerais lhe conferem a propriedade remineralizante em peles cansadas e estressadas. As mucilagens e proteínas são responsáveis pelas ações de hidratação e condicionamento capilar.

Indicação:

Estados carenciais de vitamina C, stress, fadiga, gravidez, gripes e resfriados, afecções pulmonares, do fígado e da vesícula biliar, hepatite virótica, varicela, poliomielite. Coadjuvante no tratamento contra envelhecimento precoce da pele e no condicionamento capilar.

Precaução:

Suspender o uso em caso de irritação gástrica.

Interação:

Pode ser administrado junto a outras fontes naturais de vitaminas, como complemento da dieta.

Consideração Farmacêutica:

Durante a gestação e lactação, recomenda-se o uso da acerola, como suplemento em vitamina C.

Forma Farmacêutica / Posologia:

Pós, comprimidos e pastilhas.

Cápsula mole: 1 a 3 cápsulas ao dia

5% em xampus

10% em cremes e loções

Referência Bibliográfica:

TESKE, M.; TRENTINI, M.M.A; Herbarium Compêndio de Fitoterapia; 3.ed; Curitiba; 1997.

  Acerola

Comentários

Vamos lá, seja o primeiro a comentar sobre: Acerola

Deixe seu comentário sobre:
Acerola