"A sua saúde em equilíbrio com a natureza."

Digite o que procura abaixo
ou entre em contato conosco.

RHODIOLA ROSEA


RHODIOLA ROSEA

"RAIZ DE OURO" PARA O DESEMPENHO MENTAL

Nome científico: Rhodiola rosea
Família: Crassulaceae
Gênero: Rhodiola
Espécie: R. rosea
Parte utilizada: raiz
Sinônimo: Rhodiola arctica ou scopolli
Nome comum: raiz de ouro
Rhodiola rosea- raiz seca

Rhodiola rosea é uma planta nativa da Sibéria ártica, internacionalmente
conhecida como "Golden Root" ou "Raiz de Ouro". Não é à toa que essa planta da
família Crassulaceae recebeu esse título. Há séculos as raízes da Rhodiola têm sido
usadas pelas culturas da Europa oriental e asiática para melhorar a resistência física e
o rendimento de trabalho, a longevidade, a resistência a doenças provocadas por altas
latitudes, e para tratar fadiga, depressão, anemia, impotência, indisposição
gastrintestinal, infecções e desordens do sistema nervoso. O ponto comum de todas
essas ações reside no seu potencial adaptogênico. Ervas adaptogênicas parecem
possuir função bimodal de ação, determinando efeito estimulante ou sedativo
dependendo da necessidade do indivíduo diante de uma situação particular. O intento
terapêutico de um adaptógeno é promover uma ótima resposta para ambos, o stress
interno e externo, e prevenir morbidades induzidas pelo stress.

Composição
Os componentes identificados até agora na Rhodiola rosea são:
• fenóis (salidroside e sua aglicona tirosol),
• glicosídeos cinâmicos (rosina, rosavina e rosarina),
• flavonóides glicosilados (gossypetin-7-O-L-rhamnopyranosídeo e rhodioflavonosídeo),
• taninos,
• ácido gálico e seus ésteres,
• óleo essencial (os mais abundantes sendo n-Decanol, geraniol e 1,4-pmentadienol).

Propriedades e indicações
Apesar de abranger as mesmas propriedades farmacológicas dos adaptógenos,
a "Raiz de Ouro" é mais eficaz no quesito melhora do desempenho mental, da
memória e do aprendizado.

Parece que todas as plantas adaptogênicas que exibem efeito estimulante com
uma única dose (como é o caso da Rhodiola rosea) contêm quantidades relativamente
elevadas de compostos fenólicos estruturalmente relacionados com as catecolaminas,
que presumivelmente têm parte importante no sistema simpato-adrenal e no sistema
nervoso central. Em contraste, plantas como o Panax ginseng, que contêm grandes
quantidades de triterpenos tetracíclicos estruturalmente similares aos corticosteróides,
revelam seus efeitos protetores contra o stress e de adaptação aos estressores depois
de repetidas administrações por um período de uma a quatro semanas. Nestes casos,
as substâncias ativas exercem papel-chave na regulação do sistema neuroendócrino e
do sistema imunológico mediado pelo eixo hipotálamo-pituitária-adrenal.

Outra propriedade tem sido sugerida para a "Raiz de Ouro": a capacidade de
regular significativamente a desordem do sono provocada por altas latitudes (altas
latitudes têm o potencial de modificar o ciclo sono-vigília, descompassando-o dos
outros ciclos circadianos), assim como a de melhorar a qualidade do sono em geral,
sem produzir os efeitos negativos dos estimulantes sintéticos. Ela não provoca
hipersonolência de rebote, não causa efeitos depressivos e não provoca dependência,
tolerância nem abuso. Tendo sido uma das espécies mais intensamente estudadas,
vale ressaltar também que os trabalhos farmacológicos e clínicos levados a cabo com
a Rhodiola rosea têm fornecido fortes evidências de que ela exerce atividade biológica
sem quaisquer níveis de toxicidade detectáveis. 

Resultados de investigações anti-cancer in vivo em camundongos e ratos ainda
sugerem elevada efetividade terapêutica para a Rhodiola rosea no campo da
oncologia. Sabe-se até agora que ela é capaz de reagir contra os tumores de Ehrlich,
B16 e de Levis, reforçar a atividade da ciclofosfamida e reduzir a sua
hepatotoxicidade, bem como reforçar a atividade da adriamicina. Mas, pouco se sabe
sobre seu mecanismo de ação anti-câncer. Acredita-se que a Rhodiola produz uma
reação anti-mutagênica que reduz o número de cromossomos aberrantes e
micronúcleos depois do tratamento in vivo com ciclofosfamida. Ela também provou
inibir a síntese rápida de DNA mediada pelo N-nitroso-N-metilurea e as mutações
mediadas pelo 2,7-diamino-4,9-dioxo-5,10-dioxi-4,5,9,10-tetrahidro-4,9-diazapreina
(DDDTDP), etidinebromida, benzoperona, benzinidine e metais pesados. No estudo de
Majewska et al (2006), a Rhodiola ainda foi capaz de induzir inibição mitótica em
células HL-60 e reduzir sua sobrevida por meio da aceleração da programação da
morte celular. A inibição da divisão celular foi precedida pela acumulação de células
na prófase. Isto levou à indução de apoptose e necrose, segundo os autores, e a uma
marcada redução na sobrevida das células HL-60 tratadas. As células passaram à
apoptose a partir da fase G2/M do ciclo celular. Concentrações altas e baixas do
extrato produziram diferentes efeitos sobre as células neste estudo.

Estudos
O efeito de uma dose única de um extrato líquido de Rhodiola rosea no
desempenho mental de 85 homens e mulheres (20 a 28 anos) reduziu
consideravelmente o número de erros cometidos num teste de múltipla escolha
comparado com o placebo. A faixa de dose eficaz reduziu o número de erros numa
média de 46%. Uma dose efetiva do extrato produziu pronunciado efeito estimulante
de 4 horas ou mais.

Num estudo complementar, o efeito do salidroside (um composto fenólico
isolado da Rhodiola) foi altamente comparável ao do extrato.

Outra investigação realizada em 82 voluntários encontrou que doses do extrato
da Rhodiola rosea versus doses de 1mg, 5mg, 10mg e 20mg de tirosol puro (outro
componente ativo da classe dos fenóis encontrado na Rhodiola) melhoraram a
qualidade do desempenho dos participantes em memorizar parágrafos de texto,
reduzindo a percentagem de erros em aproximadamente 29% a 35% quando
comparados com o controle. As preparações também aumentaram o que os autores
chamaram de "volume" da memória curta (representado pelo número de parágrafos
lembrados), embora não tivessem produzido efeito sobre o tempo levado para a
correção da tarefa.

O efeito da Rhodiola também foi comparado com o do Ginseng Siberiano
(Eleutherococcus senticosus) num estudo envolvendo um total de 254 homens e
mulheres. Os participantes foram divididos em três grupos, cada qual recebendo
extrato de Rhodiola rosea, Ginseng Siberiano ou Mentha (controle). Os resultados
sugeriram que a "Raiz de Ouro" é mais ativa do que o Ginseng Siberiano em aumentar
a capacidade de trabalho e desempenho mental, assim como a velocidade de
processamento e percepção da informação.

Um estudo clínico randomizado, duplo-cego, placebo controlado e de grupos
paralelos avaliou duas doses únicas de um extrato padronizado de Rhodiola rosea
(180mg por cápsula) em 161 cadetes sob fadiga e stress. O primeiro grupo tomou
uma cápsula (180mg) e o segundo, duas cápsulas (360mg). Ambos foram
comparados com um grupo que não recebeu qualquer tipo de tratamento (controle).
Os resultados mostraram que as duas doses do extrato produziram um efeito "antifadiga"
(estimulante) estatisticamente significativo juntamente com resultados
significativos na pressão de pulso, quando comparados com o placebo.

Kormosh et al (2006), relataram o efeito de uma mistura de plantas
adaptógenas (incluindo a Rhodiola rosea) sobre a imunidade de pacientes com câncer
de ovário. Uma preparação a base de Rhodiola rosea, Ginseng Siberiano, Raiz de
Maral (Leuzea carthamoides) e O Mi Cha (Schizandra chinensis) foi administrada a 28
mulheres com câncer de ovário epitelial nos estágios III a IV que receberam 75mg/m2
de cisplatina e 600mg/m2 de ciclofosfamida. Sangue periférico foi coletado e testado.
Foram observadas mudanças nas seguintes subclasses de células T: CD3, CD4, CD5 e
CD8. Nas pacientes que tomaram diariamente 270mg da mistura de extratos durante
quatro semanas depois da quimioterapia, os números médios das quatro subclasses
de células T estavam aumentadas em relação àqueles dos pacientes que não tomaram
a mistura. O grupo tratado com os quatro extratos também apresentou aumento nas
quantidades médias de IgG e IgM. Os autores concluíram que a combinação de
Rhodiola rosea, Ginseng Siberiano, Raiz de Maral e O Mi Cha pode estimular a
imunidade suprimida em pacientes com câncer de ovário submetidas à quimioterapia.

Apesar da sua história e popularidade, estudos contemporâneos têm produzido
resultados controversos em relação à capacidade da Rhodiola rosea em aumentar o
desempenho físico. Segundo Walker and Robergs (2006), as circunstâncias específicas
das investigações, como dose, população e tipo de exercício, são ambíguas, embora
tendam a mostrar maior influência da Rhodiola na resistência aos exercícios físicos do
que na força física. Os meios pelos quais a planta exerceria seu efeito ergogênico
permanecem ambíguos, da mesma forma. Os mecanismos mais plausíveis baseiam-se
no aumento da função mitocondrial e/ou na atenuação dos radicais livres.

Modo de Uso
Rhodiola rosea é usada principalmente sob a forma de cápsulas, comprimidos e
soluções. As quantidades recomendadas são normalmente indicadas em relação à
percentagem de rosavina ou salidroside por miligrama ou mililitro. Em geral,
recomenda-se 100mg do extrato de R. rosea que devem corresponder a
aproximadamente 3,0% de rosavina ou 0,8% a 1,0% de salidroside.

Entretanto, é importante ter em mente que o extrato da Rhodiola pode conter
até 12 compostos ativos que não são endossados na "padronização artificial" de
somente duas de suas substâncias.

A Rhodiola deve ser tomada pela manhã porque, para alguns usuários, ela pode
interferir no sono. Para outros, a ingestão desse extrato à tarde pode não causar
qualquer interferência nos padrões do sono. Se o usuário ficar excessivamente ativo,
nervoso ou agitado, uma quantidade menor do extrato deve ser dispensado, seguida
de graduais incrementos.

Posologia
- Uma ou duas cápsulas contendo 100mg do extrato devem ser ingeridas ao dia. Uma
cápsula sempre deve ser tomada pela manhã; no caso de duas cápsulas ao dia, uma
deve ser ingerida pela manhã e outra à tarde.

- A quantidade de extrato a ser ingerido pode ser aumentada para 200mg três vezes
ao dia, se necessário.

- Uma quantidade diária igual ou superior a 1.000mg do extrato de R. rosea é
considerada alta.

Contra-indicação
A Rhodiola é contra-indicada nos estados de excitação.

Referências Bibliográficas
1. Seely, D and Rana, S. Adaptogenic Potential of a Polyherbal Natural Health
Product: Report on a Longitudinal Clinical Trial. eCAM, 4 (3): 375-380, 2007.
2. Ponassian, A. and Wagner, H. Stimulating Effect of Adaptogens: An Overview
with Particular Reference to their Efficacy following Single Dose Administration.
Phytother Res, 19: 819-838, 2005.
3. Rohloff, J. Volatiles from rhizomes of Rhodiola rosea L. Phytochem, 59: 655-
661, 2002.
4. Ming, D. S. et al. Bioactive Compounds from Rhodiola rosea (Crassulaceae).
Phytother Res, 19: 740-743, 2005.
5. Walker, T. B and Robergs, R. A. Does Rhodiola Rosea Possess Ergogenic
Properties? Int J Sport Nutr E Metab, 16: 305-315, 2006.
6. Majewska, A. et al. Antiproliferative and antimitotic effect, S phase
accumulation and induction of apoptosis and necrosis after treatment of extract
from Rhodiola rosea rhizomes on HL-60 cells. J Ethnopharmacol, 103: 43-52,
2006.
7. Kormosh, N. et al. Effect of a Combination of Extract from Several Plants on
Cell-mediated and Humoral Immunity of Patients with Advanced Ovarian
Cancer. Phytother Res, 20: 424-425, 2006.
8. Tokunaga, S et al. Effect of Valerian Extract Preparation (BIM) on the Sleep-
Wake Cycle in Rats. Biol Pharm Bull, 30 (2): 363-366, 2007.
9. Kobayashi, K. et al. Screening of Mongolian Plants for Influence on Amylase
Activity in Mouse Plasma and Gastrointestinal Tube. Biol Pharm Bull, 26: (7)
1045-1048, 2003.
10.http://en.wikipedia.org/wiki/Rhodiola
11.http://www.quitsmoking.com/info/articles/igr/rhodiola-rosea.htm (RR01)

Fonte: Informativo Pharma Nostra
      

Outras notícias que podem interessar