"Especializada em plantas medicinais."
Parcelamento em até 6X SEM JUROS!

Digite o que procura abaixo
ou entre em contato conosco.

Losna, a erva da antiguidade em nossos dias.

Conhecida como Losna ou Absinto, a "Artemisia absinthium L." apresenta substâncias poderosas que tanto podem curar como intoxicar.

A origem do nome científico desta planta é de origem grega, uma homenagem a Deusa Artemis, deusa da caça e da castidade e protetora dos partos.

A artemísia é conhecida por outros nomes populares: losna, absinto, absinto comum, acintro, artemísia-comum, artemijo, losna branca, sintro, vermute.

losna folha

Desde o antigo Egito já era usada esta planta pelos seu efeitos medicinais. Foram encontrados citações de seu uso em um papiro egípcio que data de 1.600 a.C. O próprio Hipócrates, o Pai da Medicina, fazia uso da Artemisia absinthium para casos de anemia, asma, reumatismo, dor de estômago e cólicas menstruais. Sempre foi usada também por místicos, sendo usada até nos dias de hoje através do conhecimento popular e também científico.

absinto

A losna tem em sua composição um componente químico com nome de tujona, que em certas doses pode provocar alguns efeitos colaterais como, por exemplo, alucinações. Por certo período ficou conhecida por este efeito alucinógeno devido a uma bebida alcoólica conhecida como absinto, bebida esta preferida pelo grande pintor Vincent Willem van Gogh. Mas tal bebida não foi criada com este propósito. Era um medicamento criado pelo Dr. Pierre Ordinaire (1741-1821) médico francês. Era uma espécie de remédio “cura-tudo”. O médico francês resolveu potencializá-lo adicionando álcool a 75% e então se descobriu esta propriedade. Descoberto pela população na França, o “licor de absinto” passou a ser usado como alucinógeno e não com finalidades medicinais, e então ficou conhecida mundialmente como um licor que dava grandes inspirações a poetas, músicos, pintores e artistas em geral, até o seu uso ser proibido.

A combinação entre a dosagem de álcool e as substâncias presentes nesta planta pode ser perigosa e, por essa razão, a maioria dos especialistas costuma recomendar o uso da losna ou absinto na forma de infusão (no máximo duas xícaras de chá ao dia) e evitar a extração do sumo por maceração.

losna flores

Planta pertencente à família das Compostas, originária da Europa, a losna é uma planta herbácea, perene (cultivada muitas vezes como anual), que alcança de 1 a 1,20 m. de altura. Produz folhas recortadas, de coloração verde-acinzentada e flores amarelas, bem miúdas e reunidas em pequenos cachos.

Usos e cuidados

Os componentes responsáveis pelo uso medicinal da losna ou absinto são: um óleo essencial (vermífugo e emenagogo), absintina (responsável pelo sabor amargo), resinas, tanino, ácidos e nitratos. Como planta digestiva e aperitiva, sua ação se dá pelo estímulo à salivação e à produção de sucos gástricos e, por essa mesma razão, não é recomendada para pessoas que apresentam problemas como úlceras e gastrite.

Usada corretamente e sem excessos, a infusão da losna pode aumentar a secreção biliar, favorecendo o funcionamento do fígado e, ingerida meia hora antes da refeição, pode agir como estimulante do apetite e auxiliar da digestão.

Alguns estudos tem mostrado a ação antitumoral dessa planta, mas não há nenhuma evidência científica em relação ao uso humano que definitivamente determine que a Artemisia previna ou cure o câncer.

No uso externo possui ação inseticida para piolhos.

Quanto aos cuidados, não é recomendável o uso por mulheres grávidas e crianças. Além disso, a maceração da planta com álcool, segundo alguns estudos já realizados, apresenta graves perigos, podendo provocar dependência, alucinações e convulsões.

Devemos sempre nos orientar para que possamos usar as plantas de forma correta a nosso favor, para nos trazer benefícios e não efeitos indesejados. Lembramos que a diferença entre o remédio e o veneno está na dose.

Por: Eliza Harada

                    

Outros informativos que podem interessar