Plugin necessário

Buscar produtos naturais

Nó de Cachorro

Compre Nó de Cachorro online

Categoria: Fitoterápicos/ Produtos Naturais

Nó de Cachorro
Nó de Cachorro
Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter
Fórmula Magistral QTD Unitário

Veja para que serve Nó de Cachorro

Nó de Cachorro (Heteropterys aphrodisiaca)

AÇÃO E INDICAÇÃO:

Estimulante geral e afrodisíaco. Aumenta a concentração e a memorização.

FORMAS UTILIZADAS:

- Cápsula (pó da planta)

- Tintura (líquido)

Tags: nó de cachorro. heteropterys aphrodisiaca. estimulante. afrodisiaco. concentração. aprendizado. memória. memorização.

 

Nó de Cachorro

Nó de Cachorro (Heteropterys aphodisiaca)

Esta é uma planta que vem sendo muito pesquisada por professores da Faculdade de Medicina da UNIFEST (Universidade Federal de São Paulo). Trata-se de uma planta nativa das regiões de cerrado e pântano. O que caracteriza esta planta são partes engrossadas e alguns nós presentes nas raízes, semelhante ao pênis do cachorro, o que acabou originando o nome popular da planta. Esta planta apresenta porte arbustivo, podendo atingir até 1,3 metros de altura, com ramos de cor avermelhada, inflorescência com flores de cor amarelada e sem fragrância.

Popularmente é muito empregada em Goiás e principalmente no Mato Grosso, principalmente pelos pântanos. Utilizam as raízes ou a entrecasca da planta, e é muito comum colocarem em uma garrafa de cachaça para o preparo de uma garrafada. Esta fica de cor avermelhada e é empregada para vários fins terapêuticos. É prática comum nestas regiões tomar antes das refeições um gole de pinga onde tem um pedaço da raiz do Nó-de-Cachorro, dizendo que "faz bem para os nervos". Também empregam esta raiz para facilitar o trabalho de parto, no diabetes, como tônico mental e afrodisíaco, depurativo, na desinteira, como auxiliar na eliminação do ácido úrico, das doenças venéreas e em problemas uterinos e até oftálmicos.

Os estudos desta planta têm mostrado resultados impressionantes. Testes com ratos (para obtenção de registro do fitoterápico no Ministério da Saúde é necessário apresentar uma série de estudos e um deles é o pré-clinico, ou seja, em animais) têm mostrado que é uma planta praticamente atóxica, tanto no uso em altas doses por um período curto (toxicidade aguda), quanto em doses pequenas mas por um período longo (toxidade crônica).

Em outro trabalho, ficou demonstrado que animais velhos que usaram esta planta por um período longo, apresentaram uma capacidade de aprendizado e de melhoria da memória muito superior aos animais que não a ingeriram. Mais uma vez confirmando uma das aplicações desta planta pela sabedoria popular.

Uma comparação dos níveis de aprendizado entre ratos, novos e velhos que usaram e não usaram esta planta, mostrou resultados surpreendentes. Os ratos idosos que fizeram uso desta planta tiveram o mesmo índice de aprendizagem que os ratos novos, confirmando mais uma vez sua capacidade tônica e estimulante mental. Efeitos anti-oxidantes em cérebros de ratos também foram relatados, tanto em estudos in vitro quanto in vivo.

Os resultados foram obtidos com o uso constante e por um período longo, mostrando que provavelmente estamos diante de uma planta adaptógena, como o Ginseng, Fáfia e Ginseng siberiano entre outras.

Seguindo a seqüência dos estudos, o próximo passo, uma vez confirmados em animais, é realizar estes testes em seres humanos sadios, e é justamente o que está sendo feito. Até o momento demonstrou-se que também para seres humanos não apresenta efeitos colaterais. Devido ao seu mecanismo de ação, alguns profissionais estão acreditando que esta planta possa até mesmo substituir o Ginkgo biloba no tratamento de várias doenças, já relatadas no artigo publicado no número passado deste jornal.

Este é mais um exemplo da riqueza de nosso patrimônio genético e da capacidade de nossos pesquisadores. Só falta um pouco mais de seriedade por parte de nossos governantes para as causas nacionais. Podemos usar muitas plantas brasileiras para tratar nossos doentes, em substituição à plantas importadas, e com isso ficar livre de flutuações de preços devido a especulação do mercado financeiro.

Ademar Menezes Junior
OE

Formas de Pagamento

Formas de pagamentos aceitas pela Oficina de Ervas: Boleto, Cartões de Crédito e Transferência eletrônica.

Últimas Notícias

Curso de Fitoterapia Clínica para o segundo semestre de 2014 Saiba Mais

Curso de Florais de Bach começa este mês. Saiba Mais

Ver Todas Notícias

Monte sua Receita

Envie sua receita para que possamos fazer um orçamento específico para suas necessidades.

Email:
farmacia@oficinadeervas.com.br
Telefone: 16 - 2133.4455

OE

Manipulação e fitoterápicos!

A sua saúde em equilíbrio com a natureza. Conheça os benefícios que as plantas podem proporcionar e deixe a natureza cuidar de você!

Nossa equipe tem formação para prestar atendimento à sociedade, sobre esse vasto assunto que é a fitoterapia.

leia mais