Plugin necessário

Buscar produtos naturais

Aroeira

Compre Aroeira online

Categoria: Fitoterápicos/ Produtos Naturais

Aroeira
Aroeira
Aroeira
Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter
Fórmula Magistral QTD Unitário
Tintura 60mL R$ 19,00

Veja para que serve Aroeira

Aroeira (Schinus terebinthifolius)

AÇÃO E INDICAÇÃO:

Antidiarréica, adstringente, anti-hemorrágica e cicatrizante. Antisséptica e antiinflamatória. Diurética e purgativa.

FORMAS UTILIZADAS:

- Tintura (líquido)

Tags: aroeira. schinus . schinus terebinthifolius. antidiarreico. hemorragias. cicatrizante. antiinflamatorio. diuretico. purgativo.

 

Aroeira

Aroeira - Schinus terebinthifolius

Nome popular: Aroeira, aroeira-branca, aroeira-mansa, aroeira-pimenteira, aroeira-vermelha, aroeirinha

Nome científico: Schinus terebinthifolius Raddi

Família: Anacardiaceae

Tipo: Nativa

Características botânicas

Árvore de 3 a 15 m de altura, dotada de copa arredondada. O tronco geralmente é curto e tortuoso, com casca externa grossa e fissurada, de coloração cinza escuro a preta, e casca interna avermelhada e com forte aroma. As folhas são compostas, alternas, imparipenadas, membranáceas e verde-escuras. Possuem pecíolos alados, com ápice agudo, base assimétrica e nervura central proeminente na face inferior e bordos. É planta pioneira, heliófita, comum em beiras de rios, córregos e em várzeas úmidas, mas cresce também em solos secos e pobres. As flores branco-amareladas são glabras e reunidas em panículas terminais. Floresce de setembro a dezembro. Os frutos são drupas globosas, lisas, com pericarpo papiráceo-quebradiço, de coloração avermelhada. Os frutos amadurecem de dezembro a junho. Os frutos são amplamente consumidos por pássaros, o que explica sua ampla disseminação. A forma de dispersão desta espécie é zoocórica. Árvore de crescimento rápido, reproduz-se por estacas de raízes e galhos. A época de frutificação é entre os meses de fevereiro e julho, e os frutos devem ser colhidos quando passarem da cor verde para róseo-vermelho-viva, não é necessário quebra de dormência. Na língua Guarani, o seu nome é yryvadja rembiu, que significa comida de tiribas.

Usos e propriedades

Apesar de ser percebida por muitos agricultores como uma verdadeira praga nos campos e lavouras, a aroeira é uma espécie com muitíssimas aplicações, algumas delas estão relacionadas a seguir:

Produtos bioquímicos: A casca é muito rica em tanantes, e pode produzir tinta para tecidos ou tanino para a curtição de couro e fortalecimento de redes de pesca. Da casca extrai-se o mastique, que é uma resina terebintácea aromática.

Da casca também pode-se extrair um óleo volátil, de comprovada propriedade inseticida contra a Musca domestica (Mosca doméstica).

Forragem: Serve de forragem para os caprinos, e possui alto valor de digestibilidade.

Alimentação humana: Os frutos da aroeira são utilizados como substitutos da pimenta-do-reino (Piper nigrum). Esta pimenta, conhecida como pimenta-rosa, pimenta-rosada e brazilian pepper, é muito famosa na cozinha européia, principalmente na França, e lá é conhecida como poivre-rose. Apesar de ser uma planta extremamente comum, e até considerada daninha em alguns lugares, o preço dos frutos secos aqui no Brasil pode chegar a R$ 199,00 o Kg.

Apícola: As flores da aroeira possuem um grande potencial de fornecimento de pólen e néctar, pois o mel dela produzido é de excelente qualidade.

Medicinal: A aroeira também é utilizada na medicina popular, e estudos científicos têm comprovado sua ação contra afecções uterinas e de efeitos adstringentes, além de ser empregada no tratamento da diarréia, otalgias(seiva), gastralgias, hemoptises, dor ciática, gota, úlceras, reumatismo, infecções bacterianas, doenças do sistema urinário e respiratório, depurativa, emenagoga, tônica, balsâmica, cicatrizante, antiinflamatória, anti-reumática e antimicrobiana. Sua resina era utilizada pelos jesuítas para prepararem o remédio conhecido como "bálsamo das missões". A infusão das folhas desta espécie é utilizada pelos índios Guarani para combater o popular sapinho na boca das crianças.

Os próprios índios do Paraná e Santa Catarina utilizavam seus brotos novos e casca do caule contra odontalgia (dor de dente). O banho das folhas também é recomendado como anti-séptico.

É uma das 71 plantas medicinais autorizadas pelo Ministério da Saúde para serem receitadas e distribuídas pelo SUS, e o uso recomendado é contra ferimentos e úlceras. Devido a suas propriedades medicinais, foi incluída na primeira edição da Farmacopéia Brasileira (1926).

Recomenda-se cuidados no uso interno de medicamentos preparados com esta planta, pois em altas doses possui propriedades tóxicas.

Ornamental: Atualmente está sendo muito utilizada em paisagismo, na arborização de ruas e em parques e praças. É muito recomendada para uso em passeios estreitos. Além da beleza da folhagem ampla, é perenifólia, a floração é prolongada, e os frutos atraem a avifauna.

Ecológico: Os frutos da aroeira, por serem avidamente consumidos pelas aves em períodos rigorosos como o inverno, são importantes em programas de reflorestamento com mata nativa. Além de ser recomendada para recuperação de solos pouco férteis, pode ser utilizada para recomposição da mata ciliar.

Econômica: Pode e vem sendo utilizada como fonte de palanques e estacas vivas para cercas e palanques de sustentação.

** Há registros de que algumas pessoas são alérgicas à esta planta.

Bibliografia

BAGGIO, A. J. Aroeira Como Potencial Para Usos Múltiplos na Propriedade Rural. Boletim de Pesquisa Florestal, Colombo, n. 17, p.25-32, 1988. il.

BOTREL, R. T. [et al]. Uso da Vegetação Nativa Pela População Local no Município de Ingaí, MG, Brasil. Acta bot. Bras. 20(1): 143-156. 2006.

CARDOSO, J. H. Aroeira, Cultura e Agricultura: Reflexões que Embasam a Necessidade de Uma Educação Ambiental Rural Para Uma Percepção Social Agroecológica. EMBRAPA Clima Temperado. Pelotas, RS, 2008. 23p.

CERVI, A. C. [et al]. Espécies Vegetais de Um Remanescente de Floresta de Araucária (Curitiba, Brasil): Estudo preliminar I. Acta Biol. Par., Curitiba, 18(1, 2, 3, 4): 73-114. 1989.

DI STASI, L. C.; HIRUMA-LIMA, C. A. Plantas Medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica. Editora UNESP. 2. ed. São Paulo, 2002. 592P. il.

DIAS, J.; COSTA, L. D. Sugestões de Espécies Arbóreas Nativas Ocorrentes no Sul do Estado do Paraná Para Fins Ornamentais. FAVIUV. União da Vitória, 2008. 28p.

KINUPP, V. F. Plantas Alimentícias Não-Convencionais da Região Metropolitana de Porto Alegre. Tese de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2007. 590p. il.

LINDENMAIER, D. de S.  Etnobotânica em Comunidades Indígenas Guaranis no Rio Grande do Sul. Universidade de Santa Cruz do Sul. Rio Grande do Sul, 2008. 44p.

MEDEIROS, M.F.T.; SENNA-VALLE; L. ANDREATA, R. H. P.  Flora Medicinal dos Sitiantes da RPPN Rio das Pedras, RJ, Brasil. Publ. Avul. Mus. Nac., Rio de Janeiro, n.106, p.3-24, mar. 2005.

MENTZ, L. A.; LUTZEMBERGER, L. C.; SCHENKEL, E. P. Da Flora Medicinal do Rio Grande do Sul: Notas Sobre a Obra de D’ÁVILA (1910). Caderno de Farmácia, v. 13, n. 1, p.25-48, 1997.

NOELLI, F. S.; Múltiplos Usos de Espécies Vegetais Pela Farmacologia Guarani Através de Informações Históricas; Universidade Estadual de Feira de Santana; Diálogos, DHI/UEM, 02: 177-199, Bahia, 1998.

OLIVEIRA, D. Nhanderukueri Ka’aguy Rupa – As Florestas que Pertencem aos Deuses. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2009. 182p. il.

PRUDENCIO, M; CAPORAL, D.; FREITAS, L. A. de; Espécies Arbóreas Nativas da Mata Atlântica: Produção

e Manejo de Sementes. Projeto Microbacias II. São Bonifácio, 2007. 17p.

SCHULTZ, A. R. Botânica sistemática. 3ª ed. Editora Globo. Porto Alegre, 1963. 428p. il. v. 2.

WIELEWICK, A. P. [et al]; Proposta de Padrões de Germinação e Teor de Água para Sementes de Algumas Espécies Florestais Presentes na Região Sul do Brasil. Revista Brasileira de Sementes, vol 28, nº 3, p.191-197, 2006.

ZUCHIWSCHI, E. Florestas Nativas na Agricultura Familiar de Anchieta, Oeste de Santa Catarina: Conhecimentos, Usos e Importância; UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2008. 193p. il.

OE

Formas de Pagamento

Formas de pagamentos aceitas pela Oficina de Ervas: Boleto, Cartões de Crédito e Transferência eletrônica.

Últimas Notícias

Terapia Familiar e de Casal no Espaço Oficina de Ervas Saiba Mais

Curso de Pilates no Espaço Oficina de Ervas Saiba Mais

Ver Todas Notícias

Monte sua Receita

Envie sua receita para que possamos fazer um orçamento específico para suas necessidades.

Email:
farmacia@oficinadeervas.com.br
Telefone: 16 - 2133.4455

OE

Manipulação e fitoterápicos!

A sua saúde em equilíbrio com a natureza. Conheça os benefícios que as plantas podem proporcionar e deixe a natureza cuidar de você!

Nossa equipe tem formação para prestar atendimento à sociedade, sobre esse vasto assunto que é a fitoterapia.

leia mais